Semillero, um dialogo de saberes

O Instituto Bem estar Brasil teve o privilégio de participar da primeira edição do Semillero de Redes comunitárias, um espaço de articulação entre pessoas que trabalham com comunicação e telecomunicações indígenas no México. Esse evento foi realizado pelos coletivos Altermundi https://www.altermundi.net/ e Redes AC https://www.redesac.org.mx/.

Foto: Carla Jancz

O primeiro Semillero foi realizado de 19 a 24 de junho em Cherán K’eri, Michoacán, México, um local descrito pelos participantes como ’emblemático e nutritivo’. Sem dúvida foi exatamente o que sentimos nesse lugar que tem uma história de luta tão inspiradora. Cherán era um território relativamente desconhecido até 2011, ano em que iniciou uma luta por defesa de seu bosque. Organizados em Fogatas (fogueiras) em cada bairro, a população local liberou-se da ameaça do crime organizado que pilhava as florestas. Essa organização comunitária culminou em outra ação de transformação social e a cidade liberou-se de partidos políticos, passando a se caracterizar como um território autônomo.

A iniciativa de construção da rede comunitária em Cherán parte de um coletivo de rádio comunitária, a Radio Fogata. http://radiofogata.org/ Composto majoritariamente por mulheres, a rádio é descrita como um espaço “onde sua voz arde como fogo”.

“A rádio comunitária é uma comunicação alternativa aos meios de comunicação de massa. Assim nos é dada a oportunidade de dizer nossa palavra, a possibilidade de nos organizarmos e contar nossa história”.

A rádio propõe a criação da rede de intranet XAMONETA, nome que significa: ‘Eco’ na língua indígena mais falada da região; purepecha. A rede tem como objetivo dar apoiar à recompilação de saberes de Cherán como uma ferramenta de continuar e fortalecer a luta política e a retomada de valores tradicionais. A criação de um arquivo da comunidade é estratégica para alcançar o objetivo de uma revitalização linguística e de prover uma ‘Conectividad con sentido’.

Foto: Carla jancz

O inicio do Semillero foi uma roda de apresentação com mais de 50 pessoas. O evento contou com a participação de diversos grupos de todo o México, com o grupo Altermundi (Argentina), Colnodo (Colombia) e dois grupos brasileiros; o Instituto bem estar Brasil e a Colab.

Na apresentação uma das perguntar feitas foi quais idiomas os presentes falavam. Apesar de a língua comum a quase todos ser o espanhol, muitos falavam línguas indígenas do México como o purepecha. Também apresentaram brevemente as iniciativas de telecomunicação de suas comunidades; rádios comunitárias, GSM livre e embriões de redes comunitárias. Para nós foi interessante nessa dinâmica de apresentação ver a diversidade de idiomas e protocolos interconectados em uma mesma rede de pessoas.

Alguns participantes eram graduados das duas primeiras turmas do Techio comunitário https://techiocomunitario.net/, um curso de formação em telecomunicações executado no México nos anos de 2017 e 2018. Estes puderam reforçar os conhecimentos adquiridos no workshop “Desenho Participativo de Intranets Comunitárias”, facilitado por REDES A.C. Já as pessoas da comunidade de Cherán, administradores de redes de telefonia celular comunitária e rádios comunitárias, que não tinham esse contato prévio com redes digitais participaram do workshop “Introdução às redes comunitárias” de AlterMundi.

No workshop de desenho comunitário durante 3 dias foi desenvolvido o trabalho de sonhar e conceber uma intranet comunitária. Uma proposta alinhada com a expectativa da rede Xamoneta de criar uma memória vida de Cherán para armazenar conhecimentos locais. Uma das estratégias para isso foi o exercício de matriz de eleição e apropriação de TiC, cujo objetivo era eleger as tecnologias a serem utilizadas a partir de um diagnóstico do próprio território, de quem somos, qual nossos sonhos e estratégias para alcançá-los

“Sem isso” – explicava o facilitador de Redes – “Os outros processos, software livre, terabytes, etc…terminam antes de começar.”

Foto: Carla jancz

Durante a atividade era visível o reforço de outros conceitos de união e comunidade, como o YEKNEMILIS – buen vivir do povo nahua totonaku – Um princípio norteador com muita sinergia com as iniciativas ali presentes e com a realidade das comunidades representadas. O foco na linguagem e no processo coletivo foi prioritário em toda a oficina: A rede comunitária não pertence a uma pessoa ou a uma organização facilitadora, e sim à comunidade.

Em paralelo, foi realizado a instalação de 3 nós do LibreRouter pela cidade, um roteador de hardware livre desenvolvido por Altermundi para uso em redes comunitárias https://librerouter.org/. Xamoneta foi a primeira rede comunitária formada unicamente por esse modelo de roteadores.

Foto: Karla Velasco

Como parte do apoio técnico para o exercício de desenho comunitário, os grupos do Brasil e Colombia ajudaram na instalação e treinamento de um servidor com sistema operacional de software livre YUNOHOST https://yunohost.org/. Foram instalados e personalizados 3 serviços locais: WordPress para criação de sites, NextCloud para compartilhamento de arquivos e um jogo, os três disponíveis na intranet local e com administração das integrantes da rádio.

A última atividade do Semillero foi uma apresentação das mulheres da Rádio Fogata. Elas compartilharam um pouco da história do coletivo e o resultado do desenho de sua intranet. Também os planos futuros de se estabelecer como uma alternativa de entretenimento consciente e cooperar com outros produtores de conteúdo comunitário local como a TV Cherán e grupos de cinema comunitário.

Foto: Carla Jancz

Princípios norteadores da intranet XAMONETA:
-Compromisso
-Comunidade
-Caminhar junto com a comunidade
-Respeitar a comunidade
-Reciprocidade
-Diálogo
-Consenso
-Buen vivir

O Instituto bem estar brasil agradece a oportunidade de participar desse intercâmbio, a hospitalidade das pessoas de Cherán e a oportunidade de trocar experiências entre redes comunitárias da américa latina.

Redes comunitárias urbanas – Novas conexões entre permacultura e tecnologias livres na perifa

Horta di gueto é um coletivo  de Taboão da Serra, na periferia de São Paulo, cujo objetivo é levar os saberes e as práticas da permacultura e da agroecologia para sua comunidade. A proposta do coletivo é promover a visão, o trabalho e a colaboração da periferia, buscando uma forma mais autônoma e sustentável de se viver.

Foto: Coletivo Candearte

O coletivo ocupa uma praça em Taboão da Serra e realiza atividades de permacultura, um movimento que surgiu em reação ao agronegócio e mistura técnicas da sabedoria rural com novas tecnologias. Alguns exemplos de práticas promovidas pelo coletivo são: jardinagem agroecológica, composteira comunitária, oficinas de pintura com tinta de terra, brincadeiras, atelier aberto, rodas de conversa e uma feira agroecológica mensal com alimentos das agricultoras quilombolas do Vale do Ribeira.

Taboão da Serra é um bairro da periferia de São Paulo com aproximadamente 250.000 habitantes.

Dia 23 de Maio foi o início de uma parceria entre o coletivo e o Instituto Bem estar Brasil; um bate-papo sobre redes comunitárias que aconteceu na casa de Araken, um dos principais membros da iniciativa. É lá que o coletivo se reúne e trabalha entre outras coisas na preparação de bambus para bioconstrução; uma de suas especialidades.

Foto: Carla Jancz

O objetivo inicial dessa rede comunitária seria levar internet à praça ocupada pelo coletivo, e utilizar um sistema de tickets com valores acessíveis para que a comunidade realize esse acesso.

Segundo Araken, a internet seria uma ferramenta importante para fortalecer relações com os moradores da comunidade. Esse acesso gerido de forma comunitária seria uma ferramenta para ajudar novos empreendedores periféricos a divulgarem seu trabalho. Essa é uma das propostas da sede do coletivo: estar aberta a quem quer desenvolver talentos locais.

Foto: Carla Jancz

Durante a apresentação do que são redes comunitárias, o coletivo também demonstrou interesse na possibilidade de usar serviços além da internet, que poderiam ser gratuitos para todo o bairro. Serviços locais como rádio e streaming de vídeo poderiam envolver uma população mais jovem e atrair mais pessoas da comunidade para os cursos de formação realizados pelo coletivo.

Foto: Horta di gueto

O Horta di gueto é uma comunidade urbana que promove autonomia e a maneira tradicional de como a perifa colabora, trabalha e cria a vida em conjunto, uma iniciativa que para nós tem muita sinergia com a Casa dos meninos. Mais um “nó” na rede de pessoas redesenhando comunidades urbanas através das tecnologias agroecológica e digital.

Que bons frutos nasçam dessas conexões!

Para saber mais sobre o coletivo Horta di gueto:

https://www.facebook.com/hortadigueto
https://www.elchoq.com.br/2019/01/horta-di-gueto.html
https://manoelameyer.com.br/portfolio/horta-di-gueto