Nós abraçamos o potencial das redes comunitárias como um veículo de transformação que aumenta a agência de todos os membros da comunidade, inclusive promovendo o equilíbrio de gênero. As redes comunitárias são estruturadas para serem abertas, livres e respeitar a neutralidade da rede. Essas redes contam com a participação ativa das comunidades locais no projeto, desenvolvimento, implantação e gerenciamento da infraestrutura compartilhada como um recurso comum, pertencente à comunidade, e operado de forma democrática. As redes comunitárias podem ser operacionalizadas, total ou parcialmente, por meio de indivíduos e partes interessadas locais, ONGs, entidades do setor privado e / ou administrações públicas. As redes comunitárias são reconhecidas por: uma propriedade coletiva: Nós abraçamos o potencial das redes comunitárias como um veículo de transformação que aumenta a agência de todos os membros da comunidade, inclusive promovendo o equilíbrio de gênero. As redes comunitárias são estruturadas para serem abertas, livres e respeitar a neutralidade da rede. Essas redes contam com a participação ativa das comunidades locais no projeto, desenvolvimento, implantação e gerenciamento da infraestrutura compartilhada como um recurso comum, pertencente à comunidade, e operado de forma democrática. As redes comunitárias podem ser operacionalizadas, total ou parcialmente, por meio de indivíduos e partes interessadas locais, ONGs, entidades do setor privado e / ou administrações públicas. As redes comunitárias são reconhecidas por: uma propriedade coletiva:

  • A infraestrutura de rede é gerenciada como um recurso comum pela comunidade onde é implantada;
  • Gestão social: a infraestrutura de rede é tecnicamente operada pela comunidade;
  • Design aberto: os detalhes de implementação e gestão da rede são públicos e acessíveis a todos;
  • Participação aberta: qualquer pessoa pode ampliar a rede, desde que respeite os princípios;
  • Promoção do peering e do trânsito: as redes comunitárias devem, sempre que possível, estar abertas a acordos de peering isentos de assentamentos;
  • Promover a consideração das preocupações de segurança e privacidade ao projetar e operar a rede;
  • Desenvolvimento e circulação de conteúdos locais em idiomas locais, estimulando assim o desenvolvimento comunitário das interações comunitárias.