6 hackativistas que tiveram suas histórias contadas em filmes / documentários

Aline Lima

Hackers, diferente do diz o senso comum e a mídia, não são necessariamente criminosos cujo o crime mais atribuído à eles são “invasão de computadores”, hackers são pessoas muito habilidosas em suas áreas, que adoram desafios, que de maneira inteligente e subversiva, são capazes de resolver problemas complexos com abordagens pouco convencionais. Além disso, existe toda uma cultura hacker, onde os valores são pautados principalmente no livre acesso e compartilhamento do conhecimento.

Algumas pessoas extraordinárias levaram seus ideais até as últimas consequências, acreditando que todo conhecimento deve ser livre e que não só sistemas computacionais podem ser hackeado, mas o sistema político e econômico também, mesmo que para isso tiveram que pagar altos preços, alguns perdendo a liberdade ou até mesmo a própria vida.

Aqui listamos cinco dos maiores hackativistas contemporâneos que tiveram suas vidas e causas relatadas em documentários e filmes.

5 – Gottfrid Svartholm, Fredrik Neij, Peter Sunde e o Piratebay

Na internet pré Netflix e outros serviços similares de streaming, ter acesso a lançamentos e de filmes, música e outros conteúdos da grande indústria só eram possíveis por serviços P2P ou através de sites duvidosos, que eram constantemente derrubados pela justiça por infringirem direitos autorais. Os torrents, extensões de arquivos compatíveis com o protocolo BitTorrent, se tornou uma das opções mais populares de compartilhamento de arquivos no final dos anos 90 e meados dos anos 2000. Isso porque os torrents eram totalmente descentralizados, dificultando o rastreamento por parte das autoridades, mas que também dificultava que fossem encontrados pelos usuários, já que eram muitas vezes ocultados pelos buscadores tradicionais como o Google.

Foi ai que suecos Gottfrid Svartholm, Fredrik Neij, Peter Sunde resolveram criar o The Pirate Bay, o maior portal de busca de torrents já visto na internet. Para burlar as autoridades, a sacada era a seguinte: ao invés de hospedarem os conteúdos ou até mesmo os arquivos de torrent em seus servidores, eles apenas indexam os torrents disponíveis para busca, e disponibilizavam os download através de uma tecnologia chamada “link magnético”, onde o arquivo torrent, contendo os caminhos da rede P2P eram baixados direto da rede P2P daquele conteúdo.

The Pirate Bay – Away From the Keyboard

O documentário The Pirate Bay – Away from Keyboard conta a história a ascensão e queda do que foi considerado o portal de busca “Rei do Torrents”, e quais eram as motivações políticas e ativistas de seus criadores, trazendo todo um debate filosófico de que se as leis de direitos autorais são moralmente justas, ou impedem a propagação do acesso livre ao conhecimento.

4 – Chelsea Manning

Os EUA possui o histórico de se comportar como policia do mundo, realizando diversas intervenções militares em países cujo eles possuem interesses estratégicos para manter sua hegemonia econômica, mas com a alegação de que estão apenas ajudando a levar democracia. Apesar disso, suspeitas de abusos e ilegalidades são constantes, mas sem nenhuma confissão de culpa por parte do governo estadunidense.

Chelsea Manning é uma ativista protagonista de uma série de vazamentos de documentos secretos que ajudaram a denunciar e confirmar os abusos dos programas militares dos EUA. Antes de sua transição, Chelsea fez parte do exército estatunidense e foi declarada traidora pelos vazamentos.

XY Chelsea

O documentário XY Chelsea narra como ela teve acesso aos documentos e suas motivações. Também mostra toda sua luta por liberdade, pela mudança do sistema e pela causa LGBTQIA+.

3 – Aaron Swartz

Por que artigos acadêmicos, muitas vezes financiados com dinheiro público, ficam restritos a um grupo muito pequeno que podem pagar por eles? Por que mesmo depois de muitos anos da morte de seus autores, grandes corporações se apropriam dos direitos autorais e suas obras por tempo indefinido e ninguém faz nada? Por que governos podem favorecer grandes corporações, criando leis tão severas que torna qualquer pessoa que compartilhe seus conteúdos na internet como criminosos mais perigosos do que assassinos ou terroristas?

Aaron Swartz foi um garoto que desde muito cedo não aceitou se conformar com essas ideias. Aos 12 anos criou um portal de conhecimento colaborativo, muito parecido com que vinha anos mais tarde se tornar a Wikipédia, mais tarde também participou da criação do feed RSS, do Markdown e da organização do Creative Commons (CC). Aaron foi também forte opositor dos projetos de lei SOPA e PIPA, que propunham leis mais severas e desproporcionais para quem infringisse leis de copyright na internet.

O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz

The Internet’s Own Boy (O Menino da Internet), conta a curta história de Aaron Swartz, que cometeu suicídio, dentre outras coisas, pela pressão ocasionada pelo processo que respondia por compartilhar na internet, artigos acadêmicos privados dos servidores de sua universidade.

2 – Julian Assange e Wikileaks

O direito a privacidade é uma das pautas que mais vem sendo debatidas nos últimos tempos. A internet trouxe muitas facilidades e vem democratizando o acesso a comunicação, mas por outro lado, nossos dados ficam cada vez mais expostos e passiveis de serem usados indevidamente por grandes corporações e governos.

“Privacidade para os pequenos, transparência para os grandes”. Esta frase sintetiza o ideal defendido por Juliana Assange e seus colaboradores ao criarem o Wikileaks, uma organização sem fins lucrativos que publica em sua plataforma, documentos e vazados de governos e grandes corporações com o intuito de dar visibilidade a abusos e outras ilegalidades cometidos por eles.

Nós Roubamos Segredos: A história do Wikileaks

We Steal Secrets: The Story of Wikileaks (Nós Roubamos Segredos: A história do Wikileaks) é um documentário que conta a trajetória de Julian Assange na fundação do Wikileaks, com todos os desafios e consequências perigosas que veio ao enfrentar governos e grandes cooperações.

Abaixo listamos uma série de outros documentários produzidos sobre Assange e o Wikileaks, incluindo o “O Quinto Poder”, filme protagonizado pelo ator Benedict Cumberbatch.

RISK

WikeRebels

Wikileaks – USA against Julian Assange

O Quinto Poder

1 – Edward Snowden

Em 2010 o mundo ficou chocado com o conteúdo do vazamento de documentos secretos do governo dos EUA, que incluía a confirmação de programas avançados de vigilância em massas global e até mesmo espionagem de governos. A então presidente do Brasil, Dilma Rousseff e achanceler da Alemanha, Angela Merkel eram algumas das autoridades alvo dessas espionagem por parte do governo estadunidense.

Essas e muitas outras ilegalidades só vieram a luz graças a Edward Snowden, que ao participar de missões de espionagem como agente de inteligência da NSA, e ter acesso a documentos ultra secretos, decidiu abandonar por completo sua promissora carreira e toda sua vida estabelecida nos EUA, para publicar denunciar os programas de espionagem e vigilância em massa dos EUA, se tornando ofialmente um traídor de seu governo e tendo que receber asilo político na Rusia.

Citizenfour

Citizenfour é um documentário que narra todo o processo estabelecido para a publicação dos documentos secretos vazados por Snowden no site Wikileaks, e a série de reportem premiada produzida pelo jornalista Glenn Greenwald.

Snowden – Herói ou Traidor